Primeiras Impressões: GOSICK, Level E, Hourou Musuko, Fractale, Kimi ni Todoke

E a temporada de inverno começou algumas semana atrás e surpreendentemente até que tem várias coisas boas no meio de bizarrices como Cthulhu moe (Lovecraft se revira tanto no túmulo que é capaz de gerar energia com sua rotação) e mais um pá de animes hárem.

Não vou fazer resumos porque odeio fazer resumos. Google it.

GOSICK

OK, o nome é uma versão tosca engrish quero-ser-diferente da palavra “Gothic” mas o anime é interessante, principalmente pela Victorique, a gothloli que é boa em resolver mistérios, com direito a cachimbo e tudo. O Kujo, o protagonista que acaba virando escravo da guria, até que não é tão pamonha quão aparenta também.

E é claro, temos a risada da Victorique, que vale o anime.

A abertura, “Destin Histoire” da yoshiki☆lisa é descaradamente parecida com a abertura da Gurren Lagann, “Sorairo Days” da Shouko Nakagawa. Ouçam:

O encerramento aparentemente não é descaradamento parecido com nada, e é legalzinho.

Level E

Personagens de Level E

Do mesmo autor de Yu Yu Hakusho, o mangá de Level E foi publicado na década de 90 e só foi virar anime agora. Talvez por isso ele tenha um ar mais original porque acaba sendo bem diferente do padrão atual. Humor nonsense escrachado no bom e velho estilo manzai, numa história envolvendo aliens vivendo na terra escondidos, tipo Homens de Preto.

A abertura é bem bacana, tanto na arte quanto na música, “Cold Finger Girl”, da Kuriyama Chiaki (EDIT: ela é a mesma que faz a Gogo Yubari em Kill Bill oO). Vai o clipe porque a TV Tokyo tosca tirou as OPs do YouTube:

Hourou Musuko

Personagem de Hourou Musuko

Pelo primeiro resumo que saiu achei que fosse algo bizarro envolvendo traps. Mas aí vi que era do autor de Aoi Hana, que trata de assuntos envolvendo homossexualidade de forma decente e não-estereotipada. Diria que nesse aspecto é até melhor que Aoi Hana, pois lá lésbicas eram tratadas pelos personagens como a coisa mais normal do mundo (não que eu discorde, mas a maioria das pessoas não tratariam elas assim). Aparentemente o anime começou no meio do mangá e a história ainda está confusa (não ajuda que os personagens são parecidos e você não consegue guardar os nomes deles) mas imagino que vá se encaminhando. A arte do anime é linda, mais ou mesmo no mesmo estilo de Aoi Hana.

A abertura é interessante, e o encerramento é da sempre excelente Rie Fu.

Fractale

Personagens de Fractale

O outro anime do noitaminA, mistura ficção científica, aventura e fantasia. Pelo resumo não dá para não lembrar de Laputa, e o anime tem uma ligeira cara Ghibli mesmo. Só não gostei muito do primeiro episódio super legal com a ótima Phryne para depois sermos largados no segundo episódio com a pentelha da Nessa. Mas ainda é cedo para maiores conclusões. Ainda assim, aparentemente Fractale tem uma temática interessante sobre os conflitos de liberdade/alienação, real/virtual.

A abertura tem uma música bacana e animação com fractais. O encerramento, “Down by the Salley Gardens”, é versão de uma música tradicional irlandesa (inclusive a única que eu sei tocar na tin whistle, para um conceito bem flexível de “saber”). O curioso é que tem uma baita confusão sobre essa música: tem um poema do Keats chamado “Down by the Salley Gardens”, e o poema foi colocado como letra de uma música tradicional irlandesa chamada “The Maids of the Mourne Shore”. Para piorar, existe uma outra música irlandesa chamada “Down by the Salley Gardens” e além disso, o poema do Keats foi inspirado numa terceira música irlandesa chamada “The Rambling Boys of Pleasure”. Ufa.

Kimi ni Todoke

Sawako de Kimi ni Todoke

Mais do mesmo, o que neste caso não é ruim. Só requer paciência para aguentar a lerdeza do casal. A abertura, “Sawakaze”, é do Tomofumi Tamizawa, que também cantou a abertura da primeira temporada. O encerramento, “Kimi ni Todoke” é da May’s. Ambos são muito bons também.

Participe da discussão

4 comentários

  1. Eu assisti Gosick ontem. Com excessão do protagonista Kujo,achei os personagens interessantes,mas vai precisar de muito esforço para conseguir pegar meu interesse. Aliás,a protagonista me lembra assustadoramente a Evangeline de Mahou Sensei Negima. Vai saber XD

    Level E ainda pertence aos “anos dourados” do Togashi,antes de ele se jogar de cabeça aos incontáveis hiatus (tanto é que a série que ele está produzindo agora, HunterxHunter, virou HiatusxHiatus pelo fandom, por motivos óbvios ). Apesar de não ser uma ~SUPER~ obra,já estava mais do que na hora de ter virado anime.

    E hey,a lerdeza do casal de Kimi No Todoke não é TÃO ruim não,já vi shoujo mais lerdo – tipo a Tohru e o Kyo de fruits basket XD
    ANYWAYS,é uma boa pedida. É bom ter uma menina que não é a princesinha perfeita e o garoto super bonitão e arrogante que alguns shoujos de high school fazem por aí.

    Wee,primeira a comentar(?) e de volta com comentários razoavelmente grandes. \o/

    1. Oi Yukino!

      Verdade, ela lembra a Evangeline mesmo XD

      Eu me surpreendi com Level E, não esperava muita coisa…

      Hahah sim, tem casais mais lerdos ainda… às vezes irrita, mas falo brincando mesmo, KnT é muito bom!

  2. eu adoraria ver Hourou Musuko, eh uma trama que me chamou atenção e acho interessante a temática… e o traço realmente eh belíssimo

    qnto a KimiTodo, bem, sou suspeita, pq fiz uma resenha sobre o 1º epi. Eu realmente estou amando, é lerdo o casal, mas isso só mostra que não vai focar só eles. Isso me lembra um pouco KareKano.^^

  3. Eu até curti Gosick, algo bem diferente. Os outros animes não me despertaram interesse.
    Aliás, as aberturas não tem NADA a ver, só uns gritinhos, mas se você for olhar aberturas de anime, com certeza vai achar coisas com ritmo parecido, bem vindo/vinda ao século 21.

Deixe um comentário