Review: Air TV

Yukito e Misuzu em frente ao mar

The 1000th summer ——

Estou para escrever esse review desde novembro do ano passado. Procrastinação FTW!

Eu baixei Air pela sugestão do L (que por sinal nunca mais comentou aqui). É produzido pela Kyoto Animation (de Haruhi) e foi exibido em 2005.

Como eu já havia postado, mas vou repetir aqui, no começo do anime somos apresentado a um cara chamado Yukito que tenta ganhar dinheiro fazendo apresentações com um marionete sem fios. Mas o máximo que consegue é ter um monte de crianças tirando sarro de sua cara. Ele chega numa cidade a beira mar, morrendo de fome, e cai dormindo na calçada mesmo.

Quando ele acorda, ele se depara com uma menina loira, de braços abertos, olhando o mar. Ela é Misuzu, e logo aprendemos que ela é uma total lesada e a personificação do Moe. Ela vai correndo comprar um refrigerante para Yukito e você pensa “tá… ela vai tropeçar e cair de cara no chão” e ela tropeça e cai de cara no chão. E em vez de “ai” ela fala… “Gao”.

Misuzu e tia

Nesse momento eu já estava quase desistindo de assistir. Já não tinha ido muito com a cara do design dos personagens, as meninas com olhos gigantes e cabelos cheio de brilhos não fazem muito meu gênero, ainda mais com a garota estereótipo moe e o cara cercado de gurias (eu já sabia que Air tinha sido baseado num jogo de videogame tipo “simulador de encontro”).

Aparece então a mãe (tia, na verdade) da Misuzu (dublada pela Aya “Kero” Hisakawa, com o mesmo sotaque de Osaka por sinal), uma pinguça que também não tinha cara de ser a personagem mais original do universo.

Até que Misuzu sai de cena e sua tia fala com Yukito. Dessa vez séria. Ela fala de como Misuzu é meio lesada e pede para ele cuidar dela e ajudar a tirar o seu hábito de ficar falando “Gao”.

Sim… gente percebendo que menina lesadas super moe NÃO são coisas normais.

Misuzu, Yukito, Tohno, Michiru

A partir daí me convenci a assistir o resto e aos poucos vão surgindo mais mistérios envolvendo outras meninas da cidade. Tudo parece estar relacionado com a história que a mãe de Yukito sempre lhe contou, de uma menina alada que vivia no céu e que precisava da ajuda deles. Seria uma das meninas a tal menina alada? A resposta está muito mais distante daquele verão do que Yukito imagina.

Mas não se engane: embora comece meio estilo comédia, a história é triste, MUITO triste. Se não gosta de angst, não veja Air.

Misuzu, Tohno, Michiru, bonequinho do Yukito

Quanto à animação: é acima da média. Como eu disse, o design dos personagens não é o meu favorito, mas a ambientação (e o monte de cenas de pôr do sol) compensa qualquer defeito.

A música varia bastante, tem várias faixas fraquinhas que parecem MIDI, mas tem várias (principalmente no piano) que destróem. As músicas tema são muito boas, principalmente a abertura, “Tori no Uta”, que consta na minha lista de Músicas Perfeitas. Já a “Aozora”, insert song, é de destroçar corações.

Ryuuya e Kanna

São 12 episódios, divididos em três arcos: “Dream” (1 ao 7), “Summer” (8 e 9) e “Air” (10 ao 12). O 13o é apenas um resumo da série. Tem dois episódios especiais que se passam no arco “Summer”. E finalmente existe um movie, que é uma versão alternativa da série, e que eu não cheguei a ver. O jogo no qual o anime foi baseado é um “visual novel” para PC, PS2 e Dreamcast que teve duas versões: um com algumas cenas hentai e uma segunda com tais cenas removidas para o público geral.

Onde baixar:

  • Nos EUA foi licenciado, mas nada que você não achem em torrents
  • Em português pode ser baixado no tracker do OMDA (precisa cadastrar) e no Hirameki, só no canal de IRC.

Yukito e Misuzu

9 comentários sobre “Review: Air TV

  1. Algo me diz que se eu assitir isso, vou ter um “deja vu” por causa de Kimi ga Nozomu Eien.

    Aliás -parafraseando o desta vez desempolgado Jinn- ASSISTAM KGNE AGORA, HUAAAA!

    (bom, quando tiverem tempo né)
    (Isto é, se quiserem assistir, só estou sugerindo viu)

Deixe uma resposta