Adeus, Michael Crichton ;_; (e divagações sobre ceticismo)

O Michael Crichton morreu. D:

Para quem não conhece, ele é o criador do seriado E.R. (Plantão Médico) e escritor de vários livros, muitos deles adaptados em filmes como Parque dos Dinossauros, Congo, Assédio Sexual, Esfera e Linha do Tempo.

Michael Crichton

Eu sou fã dele desde que li Mundo Perdido, ainda antes do filme sair. Logo fui comprando os outros livros dele e gostei de todos. O aspecto mais interessantes das obras é como todas são parcialmente baseadas em coisas reais — você nunca sabe onde acaba a realidade e começa a ficção.

Nos últimos anos ele se envolveu em algumas polêmicas, principalmente por causa do seu livro Estado de Medo. Esse livro é uma obra de ficção que envolve o aquecimento global, em especial em como a justificativa de que ele é causado pelo homem pode ser uma farsa. Mas o problema é muitos não conseguem separar o que ele diz no livro e o que ele acredita (justamente pelo o que falei: não dá pra saber onde acaba a ficção). Crichton, apesar de ter uma visão menos ortodoxa sobre o assunto, acreditava que não há consenso sobre ele e que mais pesquisa deve ser feita; coisa que pouca gente pode negar.

Um outro ponto muito curioso, especialmente para mim, é o seu livro Álbum de Viagens. Esse é um livro auto biográfico onde ele conta sobre algumas viagens pelo mundo (muito interessantes) e diversas experiências, algumas delas envolvendo coisas como entortamento de colheres, canalização de espíritos, conversar com plantas e coisas do tipo. Eu, sendo o sr. cético que sou, tive bastante dificuldade de engolir tudo isso. Ele está mentindo, ou isso realmente existe? É fácil desdenhar o testemunho de um zé qualquer, mas e quando é de um autor que você gosta e respeita?

Não tenho resposta para isso. Não quero acreditar que ele está mentindo, mas também não consigo acreditar nessas coisas. Meu ponto de vista atual é que deve haver alguma resposta plausível para tudo isso (no que Crichton também acreditava).

Uma coisa que não concordo com os céticos atualmente é como eles desdenham toda e qualquer experiência sobrenatural. Não me interpretem mal, eu não acredito nelas. Mas ignorá-las por completo não é a atitude de alguém que pensa cientificamente.

Por exemplo, sei lá, considere “O Milagre do Sol” que aconteceu em Portugal, onde mais de 50.000 pessoas supostamente viram o Sol girando no céu e outras coisas bizarras. A explicação religiosa é que houve um milagre, o aparecimento de Jesus, virgem Maria e cia. A explicação “científica” é que foi algum fenômeno meteorológico ou uma alucinação coletiva. Agora, sinceramente, qual das explicações é mais plausível? Para mim, as duas são extremamente pobres. Sim, a mais plausível é a científica, mas ela isso não muda o fato que ela é extramamente fraca.

E o mesmo acontece com muitas outras coisas: UFO’s (qual é a conspiração mais mirabolante: que são alienígenas e tudo é encoberto pelos governos, ou que toda e qualquer foto, filme ou testemunho é montagem, mentira, ou alucinação?), espíritos, milagres, etc.

Infelizmente existe uma carência de estudos nessas coisas, mas o preconceito contra elas é enorme (quem vai patrocinar um estudo desses?). Eu acredito que há uma explicação perfeitamente lógica para todas elas, mas não sabemos qual é! E isso eu considero muito frustrante. Duas frases do Carl Sagan (outro excelente autor que me influenciou muito) resumem bem a situação: “Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias”, mas “ausência de evidência não é evidência da ausência”.

Enfim, voltando da divagação, esse livro me fez pensar nessas coisas. Em geral, os livros o Crichton fazem você pensar em várias coisas, e esse é o grande motivo pelo qual gosto tanto dele. É triste pensar que nunca mais lerei um livro dele… (*pesquisa* se bem que vão publicar um livro postumamente!)

Você pode comparar preços dos livros de Crichton no BuscaPé (não, não é um link patrocinado). Recomendo todos, em especial os mais antigos. Se você gosta de ficção científica, recomendo O Enigma de Andrômeda, Esfera, Parque dos Dinossauros, Mundo Perdido, Linha do Tempo, e Presa. Se gosta de thrillers mas sem coisas (muito) mirabolantes, recomendo O Homem Terminal, Sol Nascente, Armadilha Aérea, e Assédio Sexual.

Danny Trejo, Machete: O CARA

Você conhece o Danny Trejo?

Foto do Danny Trejo

“Já vi esse cara em algum lugar…”. Pois é. Ele é um eterno figurante que estrelou em vários filmes do Robert Rodriguez. De acordo com o diretor, quando ele estava começando a fazer A Balada do Pistoleiro, ao conhecer Danny pensou: “Esse cara deveria ser um Van Damme ou Charles Bronson mexicano, fazendo um filme por ano, e seu nome deveria ser Machete”.

E A Balada do Pistoleiro ficou pronta, com Danny fazendo o papel de Navajas, o capanga mais apelão que carrega um monte de navalhas amarradas em volta da cintura.

Em Pequenos Espiões, Rodriguez chama Danny novamente, desta vez para interpretar o tio dos dois jovens espiões. Seu nome: Machete. (Ele nem chega a aparecer no trailer.)

Na seqüência d’A Balada do Pistoleiro, Era Uma Vez no México, Danny volta no papel do capanga Cucuy. Sim, um outro personagem na mesma trilogia.

Finalmente, na antologia Grindhouse, composta por Planeta Terror de Rodriguez (que ficou em cartaz por uma mísera semana no Brasil; saiu há pouco tempo em DVD, preciso alugar) e À Prova de Morte de Tarantino (não sei a situação no Brasil) foram inclusos alguns trailers de filmes fictícios. Um deles: Machete. Rodriguez não havia esquecido sua visão. Assista (cuidado, violência e nudez. OMGBOOBIEZ):

Na falta de expressão melhor,

FUCKING EPIC WIN

Esse era o papel para qual Danny Trejo foi destinado. Finalmente saindo da figurância e tomando o lugar do protagonista, o que era um falso trailer vai virar um filme de verdade. (Sem previsão de lançamento)

Pôster de Machete: Machete segurando faca com explosões ao fundo

“Ontem ele era um homem decente vivendo uma vida decente. Agora ele é um selvagem brutal que deve esquartejar para se manter vivo.”

A Bússola de Ouro (The Golden Compass)

Pôster de A Bússola de Ouro com a protagonista, Lyra, e um urso polar cujo nome desconheçoEu não tinha dado muito atenção a A Bússola de Ouro (The Golden Compass), filme que estréia nos cinemas em dezembro. Até que descobri que a série de livros na qual ele é baseado tem temas anti religiosos e o autor, Philip Pullman, é ateu.

Instant win. Preciso ver esse filme. E ler os livros. É praticamente o oposto d’As Crônicas de Nárnia!

É claro que os cristão bitolados já estão revoltados e estão promovendo um boicote. No filme foi tudo atenuado, mas e se crianças gostarem, e comprarem os livros para elas? Ninguém pensa nas criancinhas?!?

Mas o melhor de tudo é a data de estréia no Brasil: 25 de dezembro. Isso tem que ter sido de propósito.

***

A série de livros foi lançada no Brasil, denominada coleção Fronteiras do Universo, composta de três livros: A Bússola de Ouro, A Faca Sutil e A Luneta Âmbar. O triste da história é que estou querendo fazer uma nova compra na Amazon e, com o preço dos três livros aqui, eu posso comprar os três e mais três outros livros pelo mesmo preço.

Viva o Brasil. Por que livro aqui é tão caro? Provavelmente porque vende pouco. Agora não sei se dou uma de incentivador da indústria nacional e compro aqui ou importo da Amazon.

ef, Mokke, KareKano, Heroes and Thieves, etc

OK, sei que isto está abandonado, tirando os posts obrigatórios de Tsubasa e Holic, mas estou ocupado com a faculdade (ue). Então vou tirar mais ou menos o atraso com coisas deveras sortidas.

§ Vi o primeiro episódio de ef – a tale of memories. Foi meio confuso, mas parece ser interessante, com certeza as coisas vão se desenrolar a seguir. É baseado num visual novel eroge, mas não é um anime harém tosco. A direção é bem interessante, e usa recursos diferentes nas animações (não sei explicar direito, só vendo) mas não chega ser algo viajado como Sayonara Zetsubou Sensei.

A música é do TENMON (filmes do Makoto Shinkai) e destrói. O char design dos personagens é um tanto diferente, mas cativante.

Enfim, vou continuar vendo para ver no que dá (são só 12 episódios, eba). A única coisa que não gostei foi a seiyuu da Chihiro, meio irritante.

§ Aliás, vi o primeiro episódio de Sayonara Zetsubou Sensei (anime da temporada passada…), porque tava todo mundo falando bem… mas sinceramente, achei bem ruinzinho, e olha que é difícil eu achar um anime ruim assim de cara. A Kafuka é insuportável, as piadas são sem graça e o Nozomu poderia ser um personagem muito melhor. Pode ser que fiquei melhor depois e eu esteja redondamente enganado, mas não me animei para ver.

§ Vi o primeiro episódio de Mokke. Gostei, só a história em si do episódio que achei um pouco fraquinha, mas acho que irá melhorando. O melhor é a animação, que tem um estilo de anime antigo, totalmente excelente.

§ Vi Tropa de Elite. Totalmente excelente. O senhor é um fanfarrão!!

§ Finalmente li os volumes 20 e 21 (final) de Karekano. Além do que eu já falei sobre o anime, posso dizer que o mangá é mais totalmente excelente ainda. A Tsuda explora muito bem todos os personagens (todos.) e contou uma história muito bem contada – tudo bem que tem um tanto de “dramalhão mexicano” mas não que seja ruim também (afinal, quem quer ler algo totalmente realista?). Tsubasa rox. E eu caí na pegadinha do final. E poxa, ela só esqueceu da Tsukino, eu gosto dela T_T

§ Ouvi Vanessa Carlton – Heroes and Thieves. Totalmente excelente. O segundo álbum, Harmonium, tinha ido prum lado mais “clássico” e este volta um pouco mais para o pop do primeiro álbum. A única perda nessa transição foram “riffs” destruidores de piano como em Annie e San Fracisco do Harmonium. Enfim, as melhores faixas são a Nolita Fairytale, Hands on Me (phodástica, a melhor), Come Undone (só a intro meio bizarra), The One (com a Stevie Nicks; muita gente reclamou da voz dela, meio rouca… mas eu gostei – não existe voz rouca demais depois que se gosta da OP de NieA_7), Heroes & Thieves, More Than This (coral FTW). As que eu achei fraquinhas foram a Spring Street, My Best (só aquele instrumento bizonho do começo que continua na música) e Home (os agudos dela não descem muito bem).

§ Dumbledore é gay =OOOOO

§ Reviews pendentes, só para manter o controle:

Animes

  • Yokohama Kaidashi Kikou
  • Darker than Black
  • El Cazador
  • Gedo Senki
  • Sousei no Aquarion ~Uragiri no Tsubasa~
  • Yamato Nadeshiko Shichi Henge

Jogos

  • Phoenix Wright

Livros

  • O Castelo Animado
  • The Farthest Shore
  • Tehanu
  • Deus, um Delírio

Ouch.

Tenho medo de diapasões.

Cena do clipe da Negaigoto, do Fonogenico

§ Fonogenico – Negaigoto (PV): A banda do primeiro encerramento de xxxHOLiC, Reason. Nunca achei nada deles pra baixar fora o single da Reason, infelizmente… A Negaigoto é muito bonita, só o clipe que é bem bizarro e dá medo. Espero que alguém ripe o single, quando sair =\

§ xxxHOLiC Cap 128 (scan, tradução, scanlation): desfecho da história da Guria Perturbada©, meio decepcionante porque é muito parecido com um certo filme.

§ O lendário music video de Clover vai ser lançado em DVD \o/

§ Code Geass Ep 15: hum coisas acalmaram um pouco, Mao cúmulo do figurantismo, mas ep rlz como sempre \o/

§ Death Note Ep 16: prestem atenção nesses acontecimentos senão vocês vão se perder totalmente depois, como aconteceu comigo.

§ Jinn – Kaidoku Funou: tá, é a terceira vez que falo isso, mas a Kaidoku Funou destrói. A segunda faixa é muito boa também.

§ Eu e Aga vimos DOA: Dead or Alive no Google Video (já tiraram do ar). Crítica: o filme, de TÃO ruim, chega a ser bom. Lutas bizarras, movimentos impossíveis, fanservice, história sofrível, interpretações comoventes, clichês até não poder mais. Mas Kasumi rox.

§ Harry Potter and the Deathly Hallows, o último livro da série, vai ser lançado dia 21 de julho de 2007. Achei que iria demorar mais \o/ Mas seria bem mais legal se fosse 2007-07-07 =\

Lost in Translation

Bob (Bill Murray) e Charlotte (Scarlett Johansson)

§ Encontros e Desencontros é um daqueles filmes dos quais muitos têm muitas coisas interessantes para se dizer (uma boa resenha) mas eu não sei o que dizer então só digo que é muito bom.

§ Saiu o Quivi 0.3, agora você definir que teclas fazem o quê. Para quem não sabe o Quivi é o melhor visualizador de imagens do universo e foi feito especialmente para se ler mangás e coisa do tipo. Baixe djá e dê sugestões ok.